terça-feira, 28 de setembro de 2010

Me peguei pensando em você. Gradativamente. Desde quando você era um simples desconhecido até o momento em que você passou a ser aquele que seria o pai dos meus filhos. A partir de então, lembranças, pensamentos, sentimentos me inundaram... E o sono se foi, pela mesma porta que você. Por que quanto mais a gente não quer pensar, mais a gente a pensa? Acho que nunca tive tanta certeza de que a vida é uma perfeita antítese. Quando devemos esquecer, lembramos. Quando devemos nos calar, falamos.
Quando devemos amar, expulsamos.
Te expulsei da minha vida, sem pensar no depois. Sem pensar em como seria sem você, com seus jeitos e trejeitos, chatices tão insuportáveis, sem sua exclusiva capacidade de me fazer feliz. Te expulsei não porque quis, nem ao menos percebi. Te expulsei talvez por seu único defeito ser a perfeição. Te expulsei talvez por ser uma perfeita mentirosa e por saber fingir que sei viver sem você. Não, eu não sei. Aprendi a te amar, mas desaprendi a viver a vida sem você. E na verdade, nunca tive interesse em desaprender. E nem agora, que preciso aprender, consigo me desprender de você e de tudo que costumávamos ser.
Parece estupidez expulsar alguém da minha vida, quando fica claro que esse mesmo alguém é a minha vida. Mas mais estúpido que isso, é essa maneira boba de defender o sentimento mais lindo que trago no peito, abrindo mão de você, já que não posso mais te fazer feliz. Não como você merece. Tudo seria mais fácil se ao invés de te permitir viver, eu aprendesse a viver mais uma vez e finalmente me libertasse de todas as correntes que me prendem. O que eu chamo de crise chegou afinal. Entramos em crise, porque as minhas forças acabaram e eu não tenho mais como lutar por nós. Ou por mim, ao menos.
Sinto sua falta. Sinto falta de nós. E ainda que eu tente, não encontro respostas. Ontem, a perfeição batia à porta e hoje, tudo que vejo é um fim repentino e inexplicável. Ou talvez a explicação esteja mais clara que nunca - talvez eu não tenha sido feita para amar, por mais cruel que isso possa parecer
.

3 comentários:

  1. A antítese da vida somos nós, os sentimentos são nossos. Vivemos somente o reflexo de todos esses conflitos! Espero e desjo que você fique bem!

    ResponderExcluir
  2. Nossa gostei muito do que li por aqui, meus parabéns, vou seguir ok? Dá um pulo lá no meu e dá uma olhada, axo q vc vai gostar. Me siga tbm se possível :p

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu texto!
    Já estou te seguindo!

    ResponderExcluir